Thursday, October 15, 2009

novocaine for the soul.

eu consigo agora subir no alto da minha vida e ver lá de cima, como uma clandestina, tudo que foi errado. faço confissões que nunca fiz, digo as palavras que evitava. hoje escrevo e erro tanto que nem ligo. bato o carro, bato a cara, e nem assim fecho a porta. antes era descontrole, daqueles de arder de raiva. agora é vontade que me levem, me ensinem e me devolvam como eu nunca fui. e é diferente. não faço planos, não brigo tanto - perdi coisas demais assim. aprendo muito em um dia, a ponto de achar que dura mais horas. estou anestesiada pelas coisas, sob efeito de alguma droga boa. é tudo tão sensorial, que quando canto músicas que sei decor, vejo cor! fiz mais quadros e me prometi sem cruzar os dedos nas costas: 'aprendo a desenhar nem que for a última coisa'. não me saboto mais. carrego nos olhos coisas lindas, trechos de música, poemas inteiros, na pele um fernando pessoa com todos os sonhos do mundo. carrego nas mãos os últimos lugares que passei, tudo o que conheci. e em cada parte, pra cada um, faço a trilha, escrevo uma linha, desenho uma folha no meu caderno de bolso e deixo de lembrança. é que sei aonde é o seu lugar, e é do meu lado. agora que tenho certeza que não vivi nada, não aceito arrogância. sei o que é bom pra mim e o que não quero mais. demoro para aparecer, e quando estou é porque sou ali. eu falo agora das coisas sutis, do saber que a brisa arrepia porque é vida. não é tão sério, tá no meu corpo. estou aprendendo outras línguas, tenho vontade de reencontrar pessoas pra sentar no boteco, abrir meu caderno e contar essa história. se for preciso desenhando céu aonde é sol, com a mesma vontade que escrevo minhas linhas. quem esteve em mim nesse tempo sabe que sou traço à mão, rascunho 'dos bravos', a primeira letra no meu caderno de caligrafia, aqueles quadriculados. before i sputter out.

4 comments:

Lubi said...

que prosa lindaaaa!
adorei.
bom saber que você está bem. mesmo.
:)

Leo Yu Marins said...

Esse é o seu texto mais sábado à tarde com dois copos de cerveja gelada que eu já li.

João Romova said...

ter fernando pessoa na pele é ser mais que rascunho dos "brabo".

e aprender todo dia é coisa de gente sábia.

Jaya said...

Esse foi dos melhores de todos os tempos nesse mundo de blogs. E eu quase te personifiquei, nesse meio. E me misturei, junto. É um acúmulo, Geo. Um excesso. Um monte de vida sendo desentranhada, redescoberta, desmentida. É tudo verdade. Tudo você.

Ah, moça! Você (me) arrasou, nesse. Tá lindo, lindo.

Um beijo. E mais outro.