Monday, June 15, 2009

para as noites.

quem sabe do amor vazio, esse vadio, acorda mais cedo e rega o sorriso que não existe, os beijos que acabam, e a pausa que vez ou outra é igual. todos na mesma hora, trazendo contigo o gosto e o rosto daquela que um dia foi só tua e hoje acorda em outro tempo. é meu amigo, você já perdeu muitas assim e vai continuar se insistir em não enfrentar o que é teu de noite, sem ninguém para mascarar o que a vida tem de amargo, que no fundo é a coisa mais doce que ela pode te oferecer. bem você, aquele que entoava discursos sobre verdades que hoje são mais mentiras do que nunca. se ela te pôs de roupa nova, te vestiu com as máscaras e carapuças que nunca te couberam ao meu lado, esse seu eu tão distante do que eu conheci. aposta no teu auge, e depois na tua decadência sem vitória. eu, que aprendi a ficar comigo e estar só, sei do furo na alma que isso pode deixar, mas te garanto que sozinha pulei mais longe do que você já foi em toda a sua vida de sempre-acompanhado. você se trocou de papel, e te digo de antemão - porque passei o que, pra você, ainda há de chegar: no dia em que a vida evolui uma etapa e você não ve ninguém ao lado a não ser seus próprios fantasmas, o grito ecoa bem mais longe, e sem resposta. e não é porque sei menos ou mais que ninguém, mas digo porque aprendi em meses o que nunca passei em anos. na hora do café quando eu te encontrar pra te contar, no dia que você precisar, naquela mesma hora que você me deixou, eu vou te arrancar lágrimas e sorrisos que aposto que você deixou de dar. isso eu te fazia como ninguém, e você não pode e nem vai negar.

12 comments:

Luísa said...

O segredo da vida é que ela é impermanente.

Edu said...

Na média, a vida caminha... bem, pq na média, não enxergamos o que se passa na nossa vida, até que a vida tenha acontecido.

Quando paramos para pensar e para ouvir, principalmente o que as pessoas têm a dizer, depois de um tempo percebemos onde estamos, e aí sentimos que não podemos deixar que a nossa vida permaneça mais na média.

Entender dessas etapas e transmitir isso, ainda que seja para a "causa" do aprendizado parece nobre. Mas temos que lembrar que os maiores responsáveis pelo aprendizado somos nós mesmos.

versospoti said...

... é que depois da [segunda grande] desilusão, aprendi que não vale a pena guardar espaço aqui dentro pra quem não quer ficar. então decidi experimentar-ficar com pessoas que eu tanto quis afastar pra não confundir. e aí surge surpresas tão boas quanto reveladoras mesmo que passageiras. já não quero afastar o amor, quero sim que ele chegue e encontre conforto em meu coração, mesmo que eu ainda não saiba nada sobre a pessoa quem vem despertar. então vou na bubuia da amizade-paixão-amor que a vida vez e quando coloca em meu caminho pra eu não reclamar tanto. sabe... é só agente se permitir errar também. é só a gente se divertir com aquelas amizades indefinidas entre paixão-e-amor. é só agente não trancar o coração que vai começando a sentir tudo denovo. espécie de preparação pra um futuro ainda mais feliz.

acho que você devia experimentar isso também!

[p.s: um post-resposta ao comentário lá no blog + problemas no comentário ali de cima pode excluir ele, viu?!]

nat said...

eu queria um presente desses....

Adriana Gehlen said...

nossa, demais.

Marina said...

ela sofre e escreve.
e fica tão tão lindo que a gente até torce pra ela sofrer mais.
ou não.

será assim meio Pessoa?
"Que chega a fingir que é dor.
A dor que deveras sente."

l.c grazinoli said...

“Se amar fosse o bastante, as coisas seriam simples demais. Quanto mais amamos mais o absurdo se consolida”.

Albert Camus, O mito de Sísifo – Ensaio sobre o absurdo

Henrique Hemidio said...

o difícil é se-r

Marina said...

Ah, Gio, fez todo o sentido o seu constante exercício das pequenas coisas.
Adorei.
E adotei.

Beijoca.

Monday said...

Oi, tava lendo os coments no blog da Jaya e resolvi clicar no seu nome. Acabei caindo aqui ...

Curiosamente, os dois últimos post começam com a data, Monday. É o meu nick: Monday ... rsss

Gostei do poeminha do post anterior, gostei do texto do post atual, gostei daqui. Se importa? Marquei "X" nos favoritos, pra poder voltar depois de novo.

Às vezes, demoro um pouquinho. Mas eu sempre volto aos lugares que me agradam.

E boa sorte ao moço do post: ele vai precisar, para os próximos passos ...

Boo said...

tu sempre sentindo em excesso as coisas. isso é incrível, não muda isso guria!

Lubi said...

eu li.
assim que você postou.
e tenho pensado sobre desde então.
sem nenhuma palavra pra dizer.
porque no fundinho do meu peito, queria que já tivesse acabado.
queria você completamente feliz.